VOCÊ ACREDITA EM DEMÔNIOS?


OPINIãO

O mundo concreto da luta espiritual

 
Você acredita em demônios? Quem quiser pode atribuir “curas e exorcismos”, narrados a respeito de Jesus, à natural capacidade de uma personalidade “pentecostal”. Um equívoco. Jesus entende como as pessoas de seu tempo dependem das superstições, crendices e crenças. O Mal supostamente “sobrenatural” domina a sociedade. A miséria é escamoteada para fora da realidade. A sociedade humana, por outro lado, é um mundo perturbado por comportamentos inaceitáveis de “possessos”, nem sempre reconhecidos como tais: fratricidas; estupradores, pedófilos, drogaditos, traficantes; espancadores de mulheres e crianças, agressores de homossexuais, linchadores, flageladores, abusadores de mendigos e doentes mentais; traficantes de drogas… É o mundo do homem tomado por “demônios” reais, concretos, expostos no cotidiano das metrópoles e pequenas cidades, camuflados no falso repúdio e vergonha da sociedade. 

 
O mundo espiritual do Novo Testamento é profundamente influenciado pela “presença” de anjos e demônios, e do diabo, tal e qual uma região cinzenta que esconde atores reais nos bastidores, expressando a violência urbana no cotidiano. Superstição? Muito mais que isso. Trata-se de uma dominação espiritual comandando também a resposta negativa da pessoa religiosa às verdadeiras questões (“…pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades; contra os dominadores deste mundo de trevas; contra as forças espirituais do mal” – Ef 6.12). Estas deveriam perturbar a consciência coletiva, enquanto abrem seus olhos. Porém, cegueira, impiedade, egoísmo e narcisismo negam a realidade. Os instrumentos da superstição reforçam esta situação. 
 
Habitação, saneamento, urbanização, proteção sanitária, são necessidades, bens sociais a serem repartidos, e não simplesmente plataformas de candidatos a vereadores e prefeitos que buscam suas eleições, poderiam estar na pauta religiosa. As cidades citadas no evangelho, como a Decápole (Mc 5.1 ss), exemplificam a semelhança com as cidades modernas. Vários municípios compõem a zona metropolitana. Doentes, pobres, abandonados pelos poderes públicos, miseráveis e famintos, vítimas do abandono da sociedade, a olho nu, tornam visíveis essas realidades.
 
Orações de poder, astrologia esotérica, magia e prestidigitação religiosa comparecem com frequência, no mundo supersticioso e cinzento. Trata-se de um universo simbólico tomado por forças ocultas, medo e terror, atribuídos ao sobrenatural. Talvez, um modo de atenuar o impacto dos mistérios da natureza real, que se apresentam como um desafio visível no cotidiano, constantemente ameaçado por forças cegas, como diria, além da carta apostólica citada, Erich Fromm. Explicam a violência no cotidiano das pessoas? 
 
Não faltam grupos representativos julgando atender a uma “justiça particular”, pretendendo a “limpeza da sociedade”. Pretendem defender a coletividade, agem em bandos, como possessos, violentos, loucos, agredindo pessoas doentes e sãs. O que justificaria a violência contra doentes, alienados e moradores de rua indefesos? O narcisismo coletivo não suporta o “lado feio”, repulsivo, desagradável, dos marginalizados? Sempre em bandos, agem para exterminar “indesejáveis” mendigos, loucos, doentes mentais, em nome da própria comunidade, que não os suportam. 
 
Precisamos entender e dar um sentido humano real à mensagem do Novo Testamento, sobre realidades concretas e enfermidades criadas socialmente. Útero da violência simbólica existente. Do mesmo modo, podemos observar as responsabilidades sobre epidemias socializadas, como o drogadismo farmacológico, a Aids e a dengue, para além das representações figurativas. 
 
A palavra evangélica, na Bíblia, é que Deus julga e age sobre o mundo para salvá-lo e libertá-lo. As forças incontroláveis herdadas pela humanidade desde o mundo ancestral se submetem à sentença libertária da consciência sobre a salvação. Realidades ímpias devem ser transformadas. Um mundo novo é possível, diz o Evangelho, nos relatos de cura e exorcismos. E no enfrentamento de doenças devastadoras. Doenças sociais ou socializadas.
 
Mas é preciso expor à luz do dia as realidades que o coletivo não quer ver, em seu egoísmo e narcisismo.  É Jesus, com sua mente e imperativos éticos, que comanda a salvação e as transformações possíveis na proposta do reinado de Deus, para tornar novo este “céu” e esta “terra”, no sonho do profeta apocalíptico. Um mundo sem males nem dores, como entende o poema do Apocalipse (21.1-4). À esperança do futuro, salvação universal, como informa o evangelho do Novo Testamento, na realização episódica da cura miraculosa, torna-se presente em Jesus, disse Gerd Theissen. Aponta a luta incessante contra as injustiças e desigualdades, consentidas coletivamente.  
 
No Evangelho, Jesus ostenta um poder reverso à corrente demoníaca do servilismo, conformismo, quietismo e fatalismos religiosos. Jesus irradia uma energia libertária, que pode alcançar as pessoas em suas realidades, embora existam curandeiros e exorcistas, políticos demagogos e oportunistas, nas comunidades que propunham rituais e práticas exorcistas pentecostalizadas, que tão simplesmente camuflam o Mal, servindo aos poderes e poderosos deste mundo. É esta a resposta do Novo Testamento, também chamado de Evangelho do Reino de Deus.
 
Jesus se apresenta na contramão dessas ações. Acolhe o doente, o marginalizado, cura-o e expulsa o que causa a doença. Acolhe os doentes e marginalizados. Não os manipula para garantir prestígio. Cura-os e expulsa o que causa a doença. Chama-os de volta ao meio comum, e para um mundo novo e saudável, mental e socialmente, recusando o conformismo e indignando-os quanto à injustiça e desigualdade de tratamento na distribuição dos bens sociais. Resta saber como a sociedade estabelecida aceita essas curas, ou exorcismos, uma vez que não tem mais a quem atribuir “possessões demoníacas” sobrenaturais, e sujeitos que camuflam no mundo natural, real, os resultados do narcisismo e egoísmo; as consequências das desigualdades e injustiça na distribuição de bens sociais que tornam a vida humana saudável.
 
É pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e autor do livro “O Dragão que Habita em Nós” (2010).

Sobre Derval Dasilio

professor teólogo filósofo
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s