DEUS NO INFERNO DE CADA DIA…


OPINIãO

Deus no inferno de cada dia

 
“E se esse mundo for o inferno de outro planeta?”. A frase é de Aldous Huxley. No filme “The Sunset Limited”, White, um professor que ia jogar-se nos trilhos do metrô do Harlem, quer escapar do inferno que é este mundo, mas é salvo a contragosto por um ex-presidiário, pregador evangélico. Travam um diálogo intenso, no precário quarto do cortiço onde mora o pregador: Jackson: – “Você diz que quer morrer, e que não se importa com nada. Você já leu a Bíblia, entre os milhares de livros que você diz ter lido? Confio em suas palavras, sei que elas chegarão até ao seu coração. Estou lhe falando porque acredito que elas são o caminho para salvar”, afirmando a concepção evangélica comum. 
 
White: “Você perde seu tempo. Não desistirei de morrer. As coisas em que acredito, por serem verdadeiras, são muito frágeis”. O pregador retruca: – “Este é um mundo de escuridão, professor”. White continua: – “Eu admito, mas saber disso não me liberta da escuridão. De fato, não tenho escolha. Estou lhe dizendo o que compreendo sobre isso. Anseio pelo mundo escuro, desejo a escuridão. Oro pela morte verdadeira, definitiva”.  Prosseguindo: – “Se eu achasse que no além encontraria com um monte de pessoas incômodas que conheci na vida, eu não sei o que faria. Seria o maior dos pesadelos. Eu quero que os mortos permaneçam mortos para sempre. Quero ser um deles. Desejo a escuridão, a solidão, o silêncio e a paz para sempre. Não considero o meu estado de espírito como uma visão pessimista do mundo. Vejo-o como ele é. Se as pessoas também pudessem ver a vida como ela é, sem ilusões, sem sonhos inúteis, escolheriam morrer o mais rápido possível”. 
 
O diálogo continua, a questão da salvação permeia a conversa, e White vai construindo o “grand finale”: – “Eu não acredito em Deus, você acha isso possível? Os que crêem parecem não ouvir o clamor dos que sofrem. Ou os gemidos de dor e coletiva lhes parece o som mais agradável aos ouvidos. Se estes pudessem ser consequentes, em suas preces mandariam queimar aqueles que condenam numa fogueira, que se queimassem tanto a ponto de só restarem umas poucas cinzas nos escombros do universo”. 
 
Por fim, em golpe mortal, diante do pregador perplexo e sem respostas: – “Em suas mãos há sempre um machado pronto para cortar a árvore da alegria. Árvore da vida. Vocês não acreditam no prazer e na alegria. Toda estrada que vocês trilham termina na morte de cada amizade, de cada amor. Aqui está a comunidade humana da qual todos somos sócios. O tormento humano, a perda, a traição, a dor, a idade, a velhice, as doenças hediondas, a insanidade geral,  ignoradas por vocês, levam-me a uma conclusão. O que escolheram para salvar perecerá para sempre na obscuridade. Não há salvação”. 
 
Certamente, não estamos falando da “depravação total da humanidade”, em mais um infeliz momento de Calvino. Karl Barth, de certo modo, repara a doutrina rigorosa da perdição de todos os homens e mulheres, ampliando o agir de Deus muito além do julgamento e condenação ao inferno, quando discute a humanidade de Deus, alcançando este mesmo mundo como alguém que sofre, que chora, que anda em estradas sujeitas aos salteadores, que acaba torturado e assassinado pelos poderes deste mundo. Não é o homem que vai a Deus para ser salvo, mas Deus que vem ao homem para salvá-lo. Jesus foi ressuscitado por Deus, diz o Novo Testamento. Rompido o tabu literalista, ou fundamentalista, a respeito da revelação adocionista, talvez precisemos ampliar nossos conhecimentos indo além do mistério. 
 
O problema incômodo, porém teórico, sobre a morte, o inferno e a salvação, não pode ficar restrito a repetições doutrinais ou catequéticas. São piores que o silêncio – também indesejável –, diria o catalão Andrés Queiruga. Como o personagem do roteirista Cormac McCarthy, em “The Sunset Limited”, aqueles que não discutem, ou ignoram, deixam-nos expostos ao vazio. O vazio não nos interessa. A fé não se move no vácuo. A luz é preferível à escuridão e a solidão, ausência de comunhão, nas quais o professor White quer mergulhar para sempre.
 
Teriam perguntado a José Saramago, Nobel de Literatura: Como podem homens sem Deus ser bons? Ele respondeu: – “Como podem homens com Deus ser tão maus?” Os temas mais diversos aparecem no diálogo observado acima, como a inexistência do amor real, assim como a abstração e substituição narcisista dos significados do amor; como a palavra sobre uma salvação impossível, porque “salvacionistas”, em catarse pessoal, ignoram a vida real das pessoas em sua concretude.
 
A revelação de Deus, ao contrário, não nasce de nenhuma doutrina ou escritura. Porque são elas que nos dizem o que Deus quereria dizer, e não do misterioso agir de Deus. Mas a inspiração vem de dentro da existência humana, é um dar-se conta de que Deus está atualizando a fé necessária para a salvação da humanidade. Deus está nos procurando e dando-se a conhecer através da realidade humana, onde há injustiças, abusos e desigualdades. Deus está na realidade de um mundo que sofre, buscando nos convencer de seu agir em favor do oprimido e do desesperado, como disse Richard Shaull. 
 
O uso do poder de julgar, aplicado aos que não compartilham de pregações abstratas; o medo do inferno e o horror do próximo; a ausência de indignação sobre as grandes injustiças misturam-se com outras ênfases, um modo primitivo, um inferno geográfico, uma cosmologia simplista que vê o mundo sem história cultural ou geológica, social, política, sem inovações cúlticas e teológicas, negando a fé histórica.  
 
A simbologia da revelação de Deus dentro e através da realidade humana confronta-se com questões dominadas por valores de sobrevivência econômica, misturada com a religião que mantém esticado o cabresto e prende o antolho que impede o fiel de ver a realidade. À instalação da liberdade, em níveis de consciência e de vida política, a fé transcendente descendo à temporalidade; à violência das sociedades autoritárias; à falta de pão, ao crime diário e ao sofrimento desnecessário; ao sangue dos inocentes derramado sem sentido, não são problemas de pessoas desfocadas quanto à revelação de Jesus Cristo diante da dignidade das etnias, dos povos, dos oprimidos, dos discriminados, dos perseguidos por causa da consciência indignada, insurgentes, diante dos abismos das desigualdades, das injustiças, dos abusos contra crianças, mulheres, idosos, deficientes e doentes, em quaisquer lugares? 
 
Em primeiro lugar, cremos, Deus continua agindo para salvar o homem de si mesmo. Através de Jesus de Nazaré, conhecemos “seu” Pai, a quem chamou de “Paínho”, “Abbá”, que cria por amor, repele o mal e nem sequer admite sua prática, e que, situando-se do nosso lado, luta incansavelmente para salvar-nos de nós mesmos. Como o pai da parábola, não nos submete ao castigo, mas vai às nossas encruzilhadas, e às porteiras da vida com o coração triste por nossas decisões em esbanjar as riquezas da vida, mas cheio de esperança que retornemos ao lugar da salvação.
 

É pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e autor do livro “O Dragão que Habita em Nós” (2010).

Sobre Derval Dasilio

professor teólogo filósofo
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

5 respostas a DEUS NO INFERNO DE CADA DIA…

  1. Fabricio diz:

    olá Derval!
    Ultimamente não temos nos encontrado:
    Gostei muito do seu texto! O titulo “Deus no inferno de cada dia” e a sua discussão acerca do filme, me lembrou de outro filme, o “O exorcista – o inicio” onde em diversos momentos(em épocas diferentes) é dita a frase(ao protagonista) “Padre, seu Deus não está aqui hoje”, e entorno dessa frase se desenrola a crise de fé e encontro com Deus nas profundezas. Gostei muito do titulo, pois, muitas vezes, vemos os termos “Deus” e “inferno” como opostos, somos condicionados a pensar “onde Deus está?”, mas, talvez, a pergunta seja “onde Deus não está?”. Atualmente estou lendo o livro “A arte de se salvar” do Rabino Nilton Bonder, ele diz
    “(…) Assim sendo, não deveríamos buscar encontrar a D´us, a ordem, aquilo que é próprio ou o estético apenas quando as coisas parecem ir ao encontro do que esperamos ou desejamos. Desde o próprio lugar onde nos encontramos, seja na escuridão ou na profundezas, de lá – e não de uma posição de suborno “se as coisas vierem a melhorar…” – devemos fazer contato com a ordem; com o Eterno. “Desde lá procurarás o Eterno teu D´us”, afirma o texto bíblico(dt.4.29) e Reb Nachman se pergunta retoricamente “Desde lá, onde? Lá. Desde o lugar onde você se encontra;”. D´us não se encontra na prova vencida, na cura obtida ou no sucesso alcançado, procure-O/A desde o lugar onde você está.” (BONDER, Nilton, A arte de se salvar, p. 53).

    Por outro lado, surge a questão “nós sabemos onde estamos?” E, “se sabemos, o que fazemos?”. Gostei profundamente de sua afirmação “A revelação de Deus, ao contrário, não nasce de nenhuma doutrina ou escritura.” Assim como vc expressa, compreendo que a revelação de Deus, parte do próprio Deus, por meio do Encontro. A religião ou as denominações são formas de nos proteger dessa experiência ou desse Encontro, onde nos voltamos para as letras e para as doutrinas e para a mesmice de nosso inferno cotidiano.

    Abraços!!!

    • Fabríciio, Nilton Bonder está entre os mais próximos, em minha biblioteca de serviço. Gosto muito do seu “SOBRE DEUS E O SEMPRE”, é incrível. O primeiro q li, dele, foi O CRIME DESCOMPENSA. Impressionante, sua abordagem ética. Consulto sempre. Ah… o título do artigo quem criou foi o Lissânder Dias, responsável pel Ultimatoonline. Cara bacana. Vc poderia transportar seu comentário lá para a ultimatoonline-opinião? Ficaria agradecido.
      Outra: acabo de retornar de S.Paulo onde travei um contrato para publicar os artigos do Domingo Litúrgico. Estou muito alegre com o resultado. Abraços,
      Derval.

  2. Anónimo diz:

    Deus que repele o mal? no antigo testameto Deus parece repelir o mal (todo aquele descrente, cetico, adorador de ídolos, nao seguidor dos preceitos divinos…dificil encontrar um motivo de guerra biblica que nao seja a intolerancia religiosa) com genocidio, peste e desgraças e fome. Quanta benevolencia! Deus pretende salvar o homem do homem, mas o projeto homem começa dando errado desde o projeto original. Adão´e Eva, saidos diretamente das maos de Deus já começam a fazer tudo errado e o misericordioso Senhor nos condena a todos por toda a eternidade pelos erros do pioneiro e mal fadado projeto homem. E o homem continua pecando e caindo por toda a historia biblica, fazendo com que Deus abandone seu proprio povo escolhido à anos de fome, peste e saques de tribos inimigas…ainda que permite que seu povo escravize e domine com dureza os nao israelitas. quanto amor! Se voce aceita esse Deus deamor, então voce nao aceita as sagradas escrituras, que parecem depor contra o proprio Deus denunciando o quão anti etico e imoral ele fez questão de ser no antigo testamento. Sempre fazendo com que o justo pagasse pelos pecadores.
    lucas.couto@terra.com.br

    • De novo, Lucas Couto (lucas.couto@terra.com.br)?
      Não sendo crente ou cristão, ou judaista, islãmico, etc., por que vc ainda lê meus artigos?
      Seja mais objetivo: defenda o personagem do filme que ilustra o artigo. Fique ao lado dele,
      mas leia a Bíblia com mais cuidado… ela revela de fio a pavio as escolhas humanas. Deus “não escolhe o homem”
      para fazer o mal, enquanto ensina a liberdade. Inclusive a liberdade de não crer (a grande parábola do livro de
      Jonas é um bom exemplo; lendo-a vc observará a relutância humana em anunciar a salvação de uma cidade inimiga, ímpia,
      detestável do ponto de vista humano, mas “eleita” pela misericórdia de Deus, embora a contra-gosto do profeta). Aliás, não é somente a Bíblia q traz atestados de fé em Deus como salvador do homem e suas inclinações ao mal.
      A propósito, qualquer leitor consciente da honestidade da Bíblia, que não esconde o que os homens
      da Bíblia (principalmente os envolvidos com poder e domínio religioso das massas) acham
      de seu deus e dos males que ele justificaria. Já disse antes a vc, mas repito: “quando um homem fala de
      Deus é sempre um homem que está falando”. A frase é de Karl Barth. Voltaire diria mais: “Se é verdade que
      o homem é a imagem de Deus, é também verdade que ‘deus’ é a imagem do homem”.

      Sei que não bastará para vc, que não crê. Mas, para os que crêem, Deus é Deus acima, além, ao lado, do ‘deus’ religioso ou da crendice, da superstição. Esse que vc insiste em conceituar como empreendedor do mal, embora sob os maiores equívocos racionalistas surgidos desde o Iluminismo (ateísmo). É inútil continuarmos, já que estamos em extremos: a fé e a não-fé em Deus. Não será útil para vc ou para mim, embora lamente seu desespero, o qual acaba na confiança dos poderes humanos da razão. Não creio na razão, embora a considere como instrumento aceitável, tb, para chegar a Deus. Cordiais saudações.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s