DA ARTE DE MANIPULAR A MASSA ATRAVÉS DA GANÂNCIA


OPINIãO

Engordamos os outros para nos engordar

Do texto de Shakespeare encontramos uma verdade: “engordamos as outras criaturas para nos engordar, e nos engordamos para sermos comidos pelos vermes”. Hoje, o grande escritor talvez modificasse Hamlet e desse outro sentido aos vermes que devoram a religiosidade sincera e realmente dependente do favor divino, legando às larvas o papel privilegiado no consumo religioso do mundo evangélico pentecostal. Provavelmente começaríamos como o original. E não apenas para engordar as larvas que vão nos comer, não somente no finalzinho da vida de cada um. Pretendo não dar esse gostinho aos vermes: quero ser cremado.Estive pensando sobre meus contatos com o evangelical way of life. Na versão pós-moderna, a graça deve ser obtida através de esforço político-eleitoral, financeiro, não importa de onde venha, se roubada do erário ou do fiel – o qual nega comida aos filhos para entregar sua fezinha “no altar pentecostal”. De outro lado, parafernálias eletrônicas deslumbrantes, midiáticas, artificialmente carismáticas, através de trucagens do tipo “me-engana-que-eu-gosto”. E a turma gosta, mesmo. Para alguns, essa exploração não parece mais detestável do que roubar de volta o que já fora roubado: a integridade do nome “evangélico”. Em cartaz: O Aprendiz de Feiticeiro – tudo que o fundamentalismo evangélico ensinou num curso intensivo da arte e magia do controle da massa pela ganância, sem o truque da volta à realidade.

Parece um tipo de conspiração contra envelhecidas concepções, “revivals” moralistas importados convidando cúmplices desavisados para algum tipo de movimento evangélico. Quiseram implantar coisas como o Moral Majority (EUA), mas só deu certo na “campanha contra a pedofilia”, do pastor reeleito facilmente para mais oito anos no Senado. Apoio da massa evangélica, e o bloco cresceu muito, embora alvo preferencial na faxina do governo Dilma Rousseff. Há “ungidos do Senhor”, laranjas do alto escalão evangélico, mamando feio no Ministério dos Transportes (jornal O Globo, 11.07.2011: DNIT, rombo de 720 milhões).

Eleitores conservadores embarcam no moralismo inconsequente, apoiando fusões ultraconservadoras de partidos mesclados, mas saudosos do autoritarismo (PRONA & PL = PR). Corrupção rende dízimos e ofertas altas, das quais igrejas não abrem mão. Nessa sociedade, nada pode reivindicar isenção à regra universal do descarte, e nada pode ter permissão de se tornar indesejável. O protestantismo histórico, porém, sai liso e limpo da lama onde patinam igrejas neoevangélicas nos dias atuais. Faz justiça à sua herança ética. Não se entregou ao mercado de mentiras.

Uma coisa, porém, é certa: ao contrário dos templos evangélicos high tech, onde pregam políticos corruptos a convite de pastores ricos, nos cemitérios não houve inovação. Tumbas e caixões de acrílico, lâmpadas led ao invés de velas, não se popularizaram. A religiosidade espetaculosa passa ao largo desses lugares, porque as sepulturas contrariam o que mais anunciam: destaque político, felicidade financeira e psicológica eternas aos crentes que financiam ou se associam a empreendimentos eclesiásticos recentes: “se o cara não tem fé, não enriquece, não se cura, não consegue nada” (Silas Malafaia, A Gazeta 4.09.2011). Doentes terminais, deficientes físicos, homens e mulheres no fim da idade outonal, são empecilhos às teses neoevangélicas. Não são bons clientes para a religião da prosperidade. A razão é óbvia. O verdadeiro prêmio nessa competição é a garantia de felicidade e sair das fileiras dos derrotados. Lá, é lugar de moradores de rua, prostitutas, minorias sexuais, trabalhadores de baixa qualificação; desventurados amorosos, mal casados, mal instalados, mal empregados.

Nos dois extremos da hierarquia da ganância as pessoas são atormentadas pelo problema da identidade. Nessa viagem de negócios, “da chegada à partida está um deserto, um vazio, uma imensidão, um amplo abismo, do qual só uns poucos mostrariam coragem de saltar fora por vontade própria; forças centrífugas e centrípetas, de atração e repulsão, combinam para segurar inquietos e estancar a saída dos descontentes. Em graus variados, da imunidade à vertigem; da adaptação à tontura, pratica-se da arte da aquiescência à desorientação: falta de itinerário e direção” (Sygmunt Bauman).

A tipologia do “baixo proletariado espiritual” sugere que as fileiras se incham com rapidez e seus tormentos escorrem, com profusão, de cima para baixo, saturando camadas cada vez mais espessas da pirâmide social. No meio, a classe média em ascensão adere à religião da prosperidade, até para justificar-se. No vértice, o alto clero neoevangélico, rico, milionário, ostentando alto luxo nos costumes, conduzindo a manada inocente ao matadouro. Com salários em torno dos R$ 100 mil, programas televisivos e de rádio, adornados com griffes internacionais, joias e relógios caros; mansões e sítios de R$ 10 milhões para cima (revista Isto É. 09.09.2011), saem pela cidade para cumprir suas obrigações de carros importados, blindados e escoltados por seguranças, ou voando em helicóptero de R$ 2,5 milhões.

Mas que o observador não se engane. A riqueza que se ostenta tem retaguarda na história da escola da religião da prosperidade (nos anos 1970, a Teologia da Ganância é veiculada com sucesso vertiginoso), na onda crescente do movimento evangélico (A. Gouvea Mendonça). Mas, Valdomiro, o apóstolo, egresso do grupo dos pastores pobres (que vão continuar pobres) treinados na IURD (Igreja Universal do Reino de Deus), buscou seu espaço, retomando o seguimento afro-religioso, configurado no catolicismo popular. Enfim, o pentecostalismo quer afirmar a supremacia evangélica no Brasil (FGV – Novo Mapa das Religiões; IBGE – 2010). Mas o protestantismo original se levanta da lona, recupera-se, como diz Robinson Cavalcanti. Felizmente, não se entregou.

É pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e autor do livro “O Dragão que Habita em Nós” (2010).

Sobre Derval Dasilio

professor teólogo filósofo
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s