Ascensão do Senhor: o céu é o limite?


OPINIãO

Ascensão do Senhor: o céu é o limite?

O Calendário cristão, na semana que antecede o Pentecostes, destaca: a ascensão do Senhor aos céus foi um fato histórico, espiritual, teológico? Qual é a mensagem fundamental do mistério da ascensão? Superar o espiritualismo intimista, introvertido, a superstição mitológica, a prestidigitação religiosa e toda falta de fé; combinar adequadamente na vida “o céu e a terra”, idealismo e realismo, utopia e compromisso com realidades concretas, acontecimentos finais de uma era (eschaton) e a história, é um desafio para os cristãos que observam a presença da Ascensão do Senhor no calendário ocidental. “Estando eles olhando para o céu, enquanto Jesus subia… perguntaram: por que vocês olham para as alturas?” (Atos 1.10-11). Deixar de olhar para cima é observar a sede de infinito que está em nós, anseio de justiça entre os homens com os pés no chão. Uma advertência a ser considerada. Na Antiguidade, no mundo onde se expandia o Cristianismo, contava-se o caso do sábio que olhava para o céu, tropeçava e caía na ribanceira…
O céu é sinônimo de Deus. Estar no céu é estar com Deus. O evangelho de Mateus usa abundantemente esse significado quando sugere que o Reino dos Céus é o lugar onde Deus reina. As mais importantes utopias humanas encontram lugar na ressurreição do Senhor aqui na terra: a perfeição do “mundo ressurreto”, transformado, ocorre neste chão terreno e não num espaço abstrato; num mundo que exalte a defesa da vida e valores morais e éticos, a fim de que a dignidade humana se sobreponha aos interesses de dominação tão frequentes entre nós. Estamos próximos do céu, mas “ainda não…”. Esperança de bem-aventuranças são sinais da vida em Deus.

As imagens religiosas do céu, contudo, a partir da Idade Média, não conferem com as do céu bíblico. Islâmicos imaginam um céu no gozo do Jardim das Delícias, segundo o Corão, com belas virgens e gentis rapazes disponíveis para os mortos virtuosos. Cristãos, porém, dão de ombro: não somos seguidores de Alá. Mas espiritualizamos o céu e, quando o materializamos, logo elegemos uma dieta de leite e mel no além, sem macho nem fêmea, sexo “homogêneo”, espiritual, asséptico. E diz-se que o céu estará ao dispor de quem já possui vantagens através da “vida consagrada”, aqui, segundo a tradição católica e protestante. Um céu para privilegiados que já vivem no “paraíso” da alienação.

Ao esperarmos pelo céu no além, engrossamos o caldo cultural da violência infernal oposta ao céu autenticamente evangélico, fazendo vista grossa à realidade imediata. Não exigimos compromissos éticos e políticos, vida digna para todos, direitos fundamentais de moradia, trabalho, escola, socialização da saúde, cultura e lazer; não denunciamos a violação dos direitos humanos e de cidadania; aceitamos a homofobia, o preconceito étnico, a negação de igualdade nas relações de gênero, a indiferença, o egoísmo e os comportamentos não solidários; não denunciamos os crimes da sociedade civil, das instituições governamentais, dos juízes que protegem as elites e negam direitos aos fracos enquanto favorecem os ricos; e nos conformamos com a desproteção dos frágeis, crianças e adolescentes em situação de risco.

A linguagem bíblica para o céu é em primeiro lugar utópica: “O lobo será hóspede do cordeiro, a pantera se deitará ao pé do cabrito, o touro e o leão comerão juntos. (…) A criança de peito brincará junto à cova da víbora, e o menino pequeno meterá a mão na toca do escorpião” (Is 11,6-9). O Apocalipse promete “um novo céu e uma nova terra, onde não haverá morte nem luto, nem grito, nem dor” (Ap 21,4), resposta para os que são constantemente confrontados e ameaçados pela morte, os que gritam de indignação, os torturados e os que sofrem opressão e injustiça. Quando Jesus nos mostra o céu, está apresentando uma fórmula da qual gastamos quase tudo, roendo até o osso depois de sugar o tutano. O céu é a esperança humana de um mundo transformado, um mundo possível apenas com Deus. A fé torna presentes os poderes do mundo invisível do Reino de Deus. Quando falamos do céu estamos falando da proximidade de Deus na vida de mortais comuns! O céu é “aquilo que jamais penetrou no coração do homem” (1Cor 2,9).

O Cristo ressuscitado, por sua Ascensão, não penetrou nos espaços siderais vazios, nem alcançou um lugar acima dos astros e das estrelas do imenso cosmo, ou qualquer ponto misterioso do Universo nas galáxias; ou algum lugar, num buraco negro pesquisado por astrônomos. Cristo atingiu completamente a plenitude, e alcançou o ponto mais alto que humanamente podemos imaginar. Jesus também disse: “Não vos deixarei sós”! Quando na direção da justiça infinita, exigência sob a orientação de Deus, ao penetrar nesse grande Mistério. Este é o significado mais importante da ascensão do Senhor ao céu. Louvado seja aquele que sustenta a nossa fé e esperança no “novo céu” e na “nova terra”.

É pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e autor do livro “O Dragão que Habita em Nós” (2010).

Sobre Derval Dasilio

professor teólogo filósofo
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s