NEM VIDA ETERNA, NEM RESSURREIÇÃO…


b1-lazaro-cuaresmaa5.jpg

NEM VIDA ETERNA, NEM RESSURREIÇÃO…
[João 11,25-45 – Disse Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida]

A desumanização do ser-humano tem muitas faces. Entre elas, o ambiente frio e artificial das cidades modernas, as novas formas de apartheid social atormentam o mundo globalizado – sugere G.Brakemeier, luterano, brasileiro, bem conhecido. Entre esses tormentos, novas expressões de morte, (social, cultural, política, religiosa), se apresentam no cenário: a pessoa teleguiada (Tv), aliciada, cooptada, bigbrotherizada. E não se trata de pessoa convencida, persuadida por uma idéia alcançada pelo espírito humano em plena liberdade de pensar e de escolher. A morte da alma e do espírito é algo que podemos encontrar na reflexão do apóstolo Paulo na carta aos cristãos da Galáxia (uma carta dirigida a gente bem humana, e não do espaço interestelar, apesar do nome sugestivo), sobre a liberdade da fé: Foi para gozarmos desta liberdade que Cristo nos libertou; permanecei firmes e não vos deixeis prender de novo ao jugo da escravidão (Gl 5,1).

Observadores estão apontando, inclusive, que os movimentos religiosos recentes, evangélicos, no Brasil, não têm uma mensagem sobre a Ressurreição. Ao mesmo tempo, nem se interessam pela Eternidade. Mais. Não se interessam pela Bíblia! Cultos inteiros são realizados sem que as Escrituras sejam mencionadas. Prestar atenção: somos tratados como malucos necessitados de uma camisa de força, porque “conservamos” o que recebemos para o bem da fé, enquanto nos querem impor uniformes ideológicos-religiosos pós-modernos: prosperidade, cura, vitória física e econômica como sinais da vida consagrada a Deus, sem esses valores teológicos. Por exemplo. Ou noutros termos, vitórias obtidas através de intermediários  e suborno religioso. Modernas indulgências.

Por que os novos evangélicos “não podem falar” da morte?  Porque esta seria a negação de sua teologia da prosperidade material, do corpo e da alma, quando a essência dessa pregação está na cura da enfermidade, porém individualmente, mas não do mal que é pobreza social. Esse tema precisa ser evitado. O tripé cura, exorcismo, prosperidade, cairia se houvesse qualquer cuidado sobre aspectos da doença e da morte de todos nós (Thiago Mello: “Minha morte me pertence…”). O crente evangélico neopentecostal não pode ter um corpo que adoece; um corpo que seja vulnerável às doenças endêmicas, ou às doenças genéticas, ou contraídas por contaminação, ou pela exposição a fatores comuns nos nossos dias, notadamente na vida urbana (drogadismo, alcoolismo, sexaholismo, por exemplo), caso contrário nega a fé materialista evangélica recente. Há grande aceitação, dessa materialidade e desse imediatismo, mesmo nas igrejas protestantes históricas, hoje em dia.

Paulo Ayres, bispo metodista, estuda também a teologia sacrificial do dinheiro no altar. Dinheiro para Deus, sacrifício no altar (?!)… O jeito encontrado para provocar Deus a intervir no tempo e no espaço físico do crente. Algo que adapta o conceito de santificação do pietismo tradicional, que procurava resolver esse tipo de problema através da “vida consagrada”, para confirmar-se a salvação. Tema também inevitável, porque ser “pobre” é ser fracassado. Derrotado. Não-salvo. Além disso, o pobre não contribui, e se não contribui não serve pra nada. Pragmatismo neo-evangélico! Em síntese, esse crente “não pode adoecer ou morrer”, a não ser que alguma coisa esteja faltando, porque não foi exorcizado, ou porque não fez a sua parte no “pacto da prosperidade”. Não foi salvo! Uma falha no sistema, porque o deus desses crentes é o “Deus da vitória!”. Logo, não precisa pensar em ressurreição. Impressiona a ausência de cerimônias fúnebres para os crentes ou seus familiares, nessas igrejas, os quais são sepultados sem a presença de um ministro religioso para conforto dos que ficam, dando-lhes segurança quanto às promessas bíblicas sobre a eternidade da vida, e a ressurreição dos mortos – que, seguramente, são as principais doutrinas cristãs desde os tempos apostólicos (Jo 11,25-26).

É inconcebível a presença dos “demônios” da doença e da morte, nesse meio (Leonildo Campos, palestra no Congresso de Missões, Conic, novembro de 2007).O evangelho da ressurreição de Lázaro que lemos hoje, compromete-se  com a vida ultrajada, com os inocentes martirizados, com os pobres do mundo, desprezados, humilhados, principalmente na velhice, escorraçados, abandonados à miséria, desassistidos até a morte. (Enquanto este autor redigia seu comentário, a televisão anunciava o aposentado que morria durante a madrugada numa fila do INSS). Eles são a imagem não só do pobre Lázaro, mas de Jesus morto na cruz, na espera que o Pai o desperte e o chame para a vida eterna, ou vida abundante, que é a mesma coisa em João!

Sobre Derval Dasilio

professor teólogo filósofo
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s