DROGAS – O RUIM E O HORRENDO


Rubem Alves

DROGAS – O RUIM E O HORRENDO
Sobre a proibição da venda de drogas

Diz a psicanálise que, quando um impulso consciente é proibido de se expressar e reprimido, ele não desaparece. A agência repressora, o superego, não tem poder para matá-lo. Pode proibir sua aparição pública, mas não consegue destruí-lo. Que acontece, então, com os impulsos proibidos? Eles passam a existir na clandestinidade. E é desse lugar clandestino, invisível, que eles burlam as ordens do superego e fazem seus ataques.As leis da vida social são idênticas. Quando algum impulso se manifesta como lesivo à sociedade, uma instância repressora, a lei, determina que ele seja banido. Mas, tal como acontece com a alma, os impulsos sociais reprimidos não deixam de existir. Simplesmente assumem um novo tipo de existência: tornam-se igualmente clandestinos. E, protegidos pela clandestinidade, burlam a lei e fazem seus ataques. No dia primeiro de janeiro de 1919 foi aprovada, pelo Congresso dos Estados Unidos, uma lei que proibia a fabricação, a distribuição e o consumo de bebidas alcoólicas. Essa lei foi o resultado de um longo processo de análise dos efeitos destrutivos do álcool sobre a vida social. Havia, em primeiro lugar, a condenação vinda da tradição religiosa puritana, para a qual a bebida e a embriaguez eram obra do demônio. Havia, em seguida, os fatos sobre os efeitos da bebida: alcoolismo, incapacidade para o trabalho, crimes, doenças. Era óbvio que a sociedade seria beneficiada se as bebidas alcoólicas fossem banidas. As pessoas se tornariam mais racionais, agiriam na posse plena de suas faculdades mentais, teriam condições para controlar seus impulsos destruidores e a vida social melhoraria. Sem álcool haveria mais progresso e mais harmonia. Aprovou-se, assim, a Lei Seca, e tomaram-se as providências para que ela fosse cumprida. Os Estados Unidos seriam um país sóbrio.Mas o resultado da Lei Seca foi o oposto do que os bem-intencionados legisladores dos Estados Unidos haviam imaginado. Sua intenção consciente foi abortada pela simples razão de que um mercado não pode ser abolido pela força de uma lei. Na clandestinidade, o mercado de bebidas alcoólicas floresceu e criou um monstro que os legisladores jamais haviam imaginado: um império gigantesco de dinheiro, crimes, corrupção, que se infiltrava em todos os setores da vida pública, tornando-se num verdadeiro Estado dentro do Estado. Foi o período áureo da máfia.

Comentando esse fato, o sociólogo Robert K. Merton observou: “Quando a reforma política se restringe à tarefa de ‘pegar os bandidos’, ela não passa de um ritual mágico.” Realidades não se abolem com proibições. As proibições apenas deslocam os seus lugares. Se as demandas existem, não é possível eliminá-las por meio de uma lei. Existindo demandas, elas encontrarão formas de ser satisfeitas. Em 5 de dezembro de 1933 a Lei Seca foi abolida. Os legisladores aprenderam a lição: o livre-comércio das bebidas, por dano50 que fosse, era incomparavelmente menos danoso do que o que acontece quando ele é reprimido.

Os legisladores norte-americanos pensavam que estavam decidindo entre o bem e o mal: bebida alcoólica é mal, abstinência é bem. Assim, por meio de um decreto, eliminariam o mal e estabeleceriam o bem. Infelizmente essa alternativa não existe. Freqüentemente as decisões a serem tomadas nos colocam diante das alternativas ruim e horrendo. Estamos, assim, diante da seguinte situação:

1)As drogas existem, há para elas um mercado imenso que movimenta milhões ou bilhões de dólares. 2)Não é possível eliminar esse mercado. Primeiro, pela demanda. Segundo, pelo dinheiro em jogo. 3)Encontramo-nos diante de duas alternativas. Primeira: as drogas simplesmente liberadas, com todos os seus males, à semelhança do que acontece com bebidas alcoólicas e cigarros. Segunda: as drogas e seu mercado proibidos legalmente, mas existindo na clandestinidade, com todas as suas florações de crime e corrupção. A primeira alternativa é muito ruim. A segunda é horrenda. 4)Se é verdade que o mercado das drogas não pode ser eliminado por meio de repressão, é verdade que as conseqüências da sua proibição podem. Basta que elas sejam tiradas da clandestinidade. Concluo, assim, que os males da liberalização das drogas são menores que os da sua proibição.

Não gosto dessa conclusão. Mas sou obrigado a considerá-la. Sei que ela faz estremecer muitas pessoas. Mas tais pessoas deveriam considerar o que acontece com a produção e o comércio livre de bebidas e fumo. Não tenho dados estatísticos. Mas tenho a impressão de que, quantitativamente, os danos da bebida, no Brasil, em termos de crimes, violência, desastres automobilísticos, doenças, são maiores que os danos das drogas. O fumo é também droga mortal. Só que seus efeitos são retardados e ninguém leva a sério as advertências do Ministério da Saúde… As drogas, liberadas, são um mal pessoal, médico, psicológico. Não liberadas, são um mal pessoal, médico, psicológico, acrescido de crime e da corrupção da vida pública.

Adolescentes foram pegos fumando um baseado. Conduzidos à delegacia, levaram uns tapas no rosto. Seus pais foram chamados. A proposta desavergonhada dos policiais: ou pagam cinco mil reais ou os filhos serão enquadrados na lei. Todos os pais pagaram. Por que não denunciaram? Porque a denúncia equivaleria a uma confissão do “crime” do filho. Não me agrada a idéia dos jovens como “reféns” permanentes dos policiais. Esse foi um incidente mínimo cotidiano, rotineiro, um pingo d’água no oceano de corrupção criado pela proibição das drogas.                                                                 —–                                                                                                                                         Rubem Alves

 

Sobre Derval Dasilio

professor teólogo filósofo
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

4 respostas a DROGAS – O RUIM E O HORRENDO

  1. Diego de Souza diz:

    Ótimo texto.
    Muito bom mesmo!
    Ótima a forma com que trata das drogas convencionais (cígarro, álcool, maconha…) para que se abra os olhos dos “legalistas de plantão”.

    Mas o que não pode se tornar Droga?
    Pessoas se viciam em TV´s, Internet, jogos de avar ou eletrônicos, na vida alheia… Até mesmo Deus pode virar uma droga (a alienação por parte da falta de ‘O Conhecimento’ faz com que o culto a Deus gere delírios em muitas mentes despreparadas).

    Desde sempre as pessoas usam as drogas pra preencher o vazio interior. Quem está realmente falho? Os que buscam algo que mate de vez essa “sede” que habita esse vazio interior ou os quem não levam para esses que tem sede a “água que dela uma vez bebida, faz com que se nunca mais tenha sede”?

    Abraços, meu querido.
    Até!

  2. é uma conclusão, como bem dita, triste, mas que expressa uma realidade irrevogável. a questão principal é se há maturidade social e governamental para o sustento da liberação da drogas. quanto à sociedade, definitivamente que não.

  3. Vixe…. Calmaí. A “sociedade” definitivamente não tem maturidade para a liberação das drogas?! q tipo de afirmação insana é essa? Qd falamos de “a sociedade” a coisa é tao infinitamente abrangente q seria impossivel qq frase definitiva sobre a mesma. eu penso diferente. me chamem de romantico… mas eu acho sim q o mundo ta mudando… devagarinho, mas ta. tem o negao la presidindo o mundo (Barack), fidel ta liberando cuba, lula ta mudando o brasil, o mundo ta discutindo a questao ambiental como nunca….. bem… acredito nesse ser falho e problematico chamado homem, e acho q estamos cada vez mais sensatos. a discussão sobre as drogas é… meu Deus…. tao gigantesca. nem vou citar nada pq precisaria de um espaço semelhante ao do texto principal… isso seria chato.. rsrs… mas fica a esperança de q dilma trate do assunto com perspicácia e a credibilidade q o PT vem ganhando (mais de 90% de aprovaçao da população), pq o povo brasileiro tem acreditado novamente num novo pais. o brasil não é mais o pais do futuro. o futuro já é agora, as coisas já estão acontecendo – as boas e as ruins – e se há uma solução para este, q é um dos maiores problemas do país, a hora é essa!
    resumindo minha opinião pessoal: “Libera essa p.!”

  4. Pingback: ARQUIVOS E REVISÕES TEOLÓGICAS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s